A preview and excerpt of Mano in Italian.

Mano

Capitolo 1

Aveva trascorso otto anni pericolosi lavorando sotto copertura nelle triadi cinesi fuori dal centro abitato di Honolulu, e quando ebbe finito il suo incarico, il suo testimone, in tribunale, mise dietro alle sbarre della prigione di Oahu State duecento gangster, mandò in pezzi cinque triadi che trafficavano con qualsiasi cosa, dalle persone agli stupefacenti. Ora era un uomo condannato, con una grossa taglia sulla testa.

Questo preoccupava talmente tanto la sua scorta che lo seguiva ovunque andasse. Anche Mano non prese alla leggera questa minaccia. Non dovrebbe essere tollerata alcuna intimidazione al vicecapo del dipartimento; per questo due ufficiali lo accompagnavano ovunque andasse. Essi facevano parte di una squadra di protezione speciale ed erano stati selezionati dal maggiore Sean O’Malley, un enorme irlandese scarno che, un tempo, anch’egli fece parte della squadra di sicurezza del Presidente degli Stati Uniti nei servizi segreti e quindi sapeva bene di cosa si trattasse.

Il maggiore era di un grado superiore al capitano e lo usava ampiamente all’interno del dipartimento di polizia di Honolulu. Inviava i suoi ragazzi a continui corsi di formazione, mostrando loro spesso scenari di vita reale come l’assassinio di John F. Kennedy oppure l’episodio dello svitato che aveva sparato a Ronald Reagan, e non si atteggiava come una celebrità in questi mesi nel dare questa esperienza di vita reale. Essi ritornavano spesso rinvigoriti e con una rinnovata consapevolezza delle molteplici situazioni. Sapevano come monitorare una folla, e riconoscere i segni distintivi di un solitario. L’uomo che all’interno di una folla non ride, l’uomo che indossa dei guanti in una giornata calda, la donna con uno zaino insolito, o un centinaio di altri segnali diversi previsti prima che una crudeltà sia messa in pratica. La squadra di protezione di Mano certamente sapeva cosa cercare, e più di tutto valutavano le intere comunicazioni, il buon lavoro di squadra, la forte consapevolezza guidata dall’intelligenza, e dalla loro glock 17.

Mano sapeva di essere in buone mani.

Risultava strano come fosse riuscito ad infiltrarsi nelle triadi, ovviamente era una cosa sospetta per gli agenti esterni, in quanto non era nato in Cina, e infatti non sembrava più cinese dell’incaricato alla Casa Bianca. Era ciò che i nativi hawaiani chiamavano howlie, un gran pezzo di uomo, con una faccia squadrata tipicamente americana. Uno sguardo tetro con un mento marcato. Occhi color mare. Richiamava un po’ un gangster, cosa che non lo scoraggiava, anzi gli dava una scusante per il suo lavoro. Non si tirava indietro se doveva indossare una felpa con cappuccio oppure abbigliamento da strada per mescolarsi in modo naturale. Era un uomo abituato a vivere nell’ombra.

Data la sua discendenza, il governatore gli aveva dato carta bianca nell’affidargli l’incarico. Aveva formato un’ottima squadra di poliziotti, il fior fiore del dipartimento di polizia di Honolulu, per aiutarlo nello straordinario compito. Sulla scia del 911, il governatore aveva stabilito una speciale task force. Le sue direttive erano semplici: tenere alla larga il terrorismo dalle Hawaii.

Ma come il governatore Watts amava puntualizzare: “I tempi cambiano, così le priorità”. L’ISIS ha preso il posto di Al Qaeda come una minaccia fattibile, avendo quest’ultimo perso potere dopo la morte di Osama Bin Laden.

A short preview of Chief Mano, currently under construction.

CHIEF MANO.

CHAPTER 1.

They had broken out the champagne for Chief Kali’s retirement, and just as the pundits had predicted, Mano had stepped into the void left by the retiring chief. A year had passed since his encounter with the ISIS terrorists led by Hakim, and he had put all those troubles behind him. The new role brought fresh responsibilities and new headaches but he was up to the task. O’Malley and his team of bodyguards still shadowed him everywhere he went because he was still a marked man because of his past as an undercover.

He had spent eight dangerous years uncovering the triads that had ruled over Honolulu with fear and by the time he had emerged from his undercover role he had put over two hundred behind bars in Hawaii, but he had also become a marked man. He was answerable to the Honolulu Police Commission, the Mayor and the Governor in his new role, a role that would bring fresh challenges and headaches.

 CHAPTER 2.

It had taken him over a year to discover the circumstances of his brother Hakim’s death and to gather together a team that would avenge those deaths. It wasn’t easy discovering what had happened with Hakim because there had been a media blackout at the request of the police authorities.

Two names stood out for Mujahid. In Saudi terms his name meant warrior, and he was built like one. He was small and squat and muscular.

Nui.

And Mano.

Both men would be made to pay dearly for what they had done. And Hawaii would pay too.

Like his brother he had infiltrated his team slowly, allowing several weeks to elapse before bringing in another team member. During that time he had to contain his mounting impatience, but he used the time wisely to build up his intelligence on his targets. 

Of his two main targets, Mano would represent the bigger threat. His security was faultless because he was already a target amongst the Hawaiian underworld. Mano had a huge price on his head but those who had tried to collect in the past had failed. He was a cop who didn’t take prisoners. Those who had tried for the bounty on his head had wound up either dead or doing long stretches behind bars, often in federal prisons.

 CHAPTER 3.

Mano looked up from a report he was reading as a knock sounded on his office door. The report was a top secret one from the FBI and had originated with from Shin Bet – the Israeli secret intelligence people – in Tel Aviv. 

The biggest of the entrants to his office was a giant of a man who jerked his thumb towards the nameplate on the door and remarked: “Looks good, chief?”

The nameplate was a new one and simply said: Chief Mano.

Mano shot a grin towards his number two on the squad and agreed with Nui’s assessment. The squad was a special one set up by Governor Watts of Hawaii in the wake of 9 11, and it’s mandate was very simple: Keep terrorism out of Hawaii. So far, Mano and his team had done just that and had had some success against ISIS terrorists in particular.It was still an uphill battle of course, trying to stay one step ahead of international terrorists and their deadly plans.

Nui took up one of the seats in his chief’s office. It was rumoured within the Honolulu police department that Nui had once trialed with the Rainbow Warriors. Whatever the truth of that he certainly had the build for it.

In comparison to his bulk, Pono was tiny. She was the only female member of the squad but she had to stay on top of her game because there were always other women vying within the Honolulu police department to emulate her success.

The fourth member of the squad was known in HPD as ‘The Seeker’.

The Department.

Work is progressing nicely on this new title. Read an extract here.

CHAPTER 1.

Detective Michael Casoni works with the New York Fire Department Investigators to track down a serial arsonist.

The crazy thing was that he had once wanted to work with the fire department.

He didn’t know where the fascination with fire had started. As a kid growing up in Queens, he’d played with matches. It had started with a craze, collecting matchboxes of all shapes and sizes. He particularly liked Irish ones, as the boxes were sturdy and held real wooden matches as opposed to the flimsy paper ones with its equally flimsy wrapping. He liked the sulphuric smell of the match that he struck and the way the flame kept burning until it hit the tips of his fingers.

In later life he had gravitated towards a career in the Fire Department of New York, but he had been rejected.  He remembered a time when on vacation in Maine he had started a forest fire on a hill and he had then driven a few miles away to watch the effects. It had been spectacular, the night sky lit up by a crazy red and orange colour that illuminated the light.

He watched in fascination as the building in front of him took hold, the flames spreading upward from the cellar where he had ignited the gas. His eyes were ablaze with a hungry look as though the flames were feeding a habit. He continued to watch as the ladder companies began arriving and busied themselves with hoses, fire hydrants, and other types of paraphernalia used to combat fire.

He smiled.

He’d have felt less smug had he known he was about to initiate one of the heaviest investigations yet into his nefarious activities.

A victim lay smouldering in the ruins. A young woman with heavy political connections. The Mayor’s daughter.

* * *

Heat could be generated in lots of ways besides fire, and both the NYPD and the NYFD felt that heat that didn’t just trickle, it flowed like an overripe lava bed dripping with molten fire, from the Mayor’s office as soon as confirmation of the dead girl’s identity was made and notified to the present incumbent of the office.

The Mayor of New York had his own protective detail and it had fallen to the shoulders of Lieutenant John Bryson to tell the man that his only daughter had perished in a fire downtown. The Mayor had heard him out in stony silence before dismissing him and reaching out to the police commissioner. The top man. The buck stopped with him.

The Mayor of New York was a powerful, political force and ruled the roost when it came to matters pertaining to the police and fire departments of the city. The Police Commissioner was summoned and was subjected to a grilling by the Mayor.

The Mayor cut to the chase without preambles. His name was Mansfield.  “My daughter is dead. I don’t want to hear anything about inter-departmental rivalries or ‘red menace’ on this one Commissioner. I want your best people working with the fire department to solve this case. Clear?”

The Commissioner coughed, as though a wisp of smoke had caught at the back of his throat. “If I may extend my condolences, sir,” he said.

The Mayor’s voice was cold. “Condolences accepted, Commissioner, but mark my words. I want your best people on this one.”

“Sir,” the Commissioner acknowledged.

A preview in Portuguese of The Nationalists.

OS NACIONALISTAS

Por

Liam Robert Mullen

Copyright 2016, Liam Robert Mullen

Copyright 2017 desta edição:

Amazon Editora

Este e-book tem licença apenas para uso pessoal.

Você está autorizado a compartilhar o livro para fins não-comerciais, desde que mantenha a sua forma original. Obrigado pela colaboração.

CAPÍTULO I

Renda-se!

O comando estava suspenso no ar como uma arma, destilando veneno. Pensar, simplesmente, podia ser fatal. Dias de luta estavam reduzidos a isso.

Tony McAnthony olhava os rostos estilhaçados em torno dele. Podia reconhecer neles o orgulho e a coragem, mas também a frustração. E também podia reconhecer o gosto amargo da decepção. Alguns militantes, porém, permaneciam intactos. Eles dariam suas vidas em prol de uma Irlanda livre.

Estilhaços de vidro, cadeiras quebradas e destroços estavam por toda a parte, alguns dos quais tinham sido usados em barricadas de madeira rústica e pontos de tiro estratégicos. E postais, selos, cupons de vale-refeição, cartões de racionamento espalhavam-se pelo chão de mármore.

Dias antes, McAnthony assistira, do topo do prédio dos correios – o GPO –, os diversos líderes da Revolta anunciar a Proclamação para o mundo. O Rádio ainda estava engatinhando, mas esperava-se que a declaração alcançasse os ouvidos de quem realmente importava na América.

McAnthony meditava sobre o próprio destino. Será que os britânicos acreditariam que ele não era um militante? Afinal, desobedecera a seu editor no Times – Conor Sweeney –, um homem bom, porém um homem de visão limitada. Sweeney tinha a tendência de adotar o ponto de vista britânico, além de encarar os grupos rebeldes de forma preconceituosa e, naturalmente, parcial, o que, provavelmente, vinha de seu passado protestante, Tony não tinha certeza.

Ele sabia que tinha sorte em estar vivo. Desta vez, a Revolta tinha sido impactante em Dublin, diferentemente da que ocorreu em 1798, quando Wexford e demais regiões do Norte aderiram ao movimento, exceto Dublin. Agora era diferente. Pontos cruciais da cidade tinham sido tomados: a fábrica de biscoitos Jacob’s; Clanwilliam House, que deu nome à rua Northumberland; o prédio da Boland’s Mill; o South Dublin Union; o Stephen’s Green; e o Castelo de Dublin. Até o GPO tinha sido tomado no começo da semana.

Wexford mais uma vez aderiu ao movimento, e em Enniscorthy os rebeldes resistiam mais ainda do que seus companheiros dublinenses.  

Os britânicos tinham sido pegos de surpresa. Muitos de seus funcionários estavam fora, nas corridas, em Fairyhouse. Além do mais, com muita gente em clima de feriado para a Páscoa, ninguém esperava uma revolta.

Era a hora perfeita para o ataque!

Os sinais já estavam no ar há muito tempo. Manobras militares em torno do Castelo. Homens e mulheres irlandeses em marcha, visivelmente armados – os soldados do Castelo não tentaram desarmá-los, temendo um derramamento de sangue, porém planejavam detê-los em breve.

Mas eles esperaram demais. Numa reunião secreta da Irmandade Republicana Irlandesa, a Revolta tinha sido planejada com tal discrição que mesmo Eoin MacNeill – o comandante dos Voluntários Irlandeses – fora pego desprevenido. Os Voluntários contavam uma base de 13000 membros, dos quais 3000 eram dublinenses, e destes, 200 eram do Exército Civil.

Roger Casement fora enviado para uma missão secreta na Alemanha, a fim de garantir armamentos para a Revolta. Porém, houve uma série de contratempos: Casement foi preso na viagem de volta e o Aud, navio norueguês que transportava os armamentos, afundou.

Sabendo disso, MacNeill, no Domingo de Páscoa, publicou uma nota, no Irish Independent, proibindo qualquer movimentação dos Voluntários Irlandeses. No entanto, o movimento por trás da Revolta era invencível. Ainda que adiadas por um dia, as ordens para a Revolta continuariam valendo na segunda de Páscoa.  E embora a confusão reinasse em algumas partes do país, a nota de MacNeill levou os britânicos a pensar que não havia necessidade de conter os Voluntários armados.

Os britânicos não podiam se precipitar onde os anjos temiam pisar. Eles precisavam evitar, junto com a guerra violenta na Europa, a separação tanto dos nacionalistas quanto dos unionistas do Norte, que se voluntariavam para o serviço militar no exterior. Recrutamento era palavra recorrente na agenda política, e também era um tema que esquentava o debate no Norte e no Sul do país.

McAnthony entrou em contato com os rebeldes quando estes se reuniam naquela manhã ensolarada de segunda no Liberty Hall. Ouvira rumores no escritório, o que fez com que ele saísse depressa do prédio e partisse correndo do cais em direção ao Liberty. Ele falou com um senhor de Cork, que o inquiriu:

— Quer se juntar a nós, por quê?

— Sou jornalista.

— Que trabalha para…?

— Irish Times.

— Ah, aquele jornaleco unionista. – Havia um desprezo evidente na fala de Michael Collins, e que se insinuava nos seus olhos castanhos. Sorriu de soslaio. Ele ia dizer não.

Tony, porém, sabia ser convincente e persuasivo quando queria. E resolveu escancarar.

— Você está certo. — admitiu. — Lá tem uma tendência bem unionista mesmo. Mas isso um dia pode mudar. Vocês precisam de jornais a seu favor. E eu quero escrever para vocês. Este é o meu trabalho!

— Não vai ser um mar de rosas. — Collins advertiu. E parou para pensar, franzindo os lábios. — Seu trabalho pode te pegar de saias. — continuou. Ele tinha o sotaque das bandas do Oeste de Cork. O clonakiltês estava vivo na sua fala.

— E tem mais: eu sou irlandês. — acrescentou Tony, mostrando os dentes num sorriso. Collins gostou disso. Ele podia reprovar o homem quanto a sua insistência. Mas concluiu que, apesar disso, ele era ousado. Reconheceu um companheiro naquele espírito. E depois, não devia haver mal algum em ter um jornalista do Irish Times do seu lado. Ele respondeu, de volta, com o mesmo sorriso.

— Está bem. — assentiu. — Junte-se aos outros.

A marcha para o GPO tinha começado há poucos minutos. Homens da Polícia Metropolitana de Dublin acenavam para a marcha com um sorriso contido, sabendo que aquilo não era apenas um mero desfile, e transeuntes zombavam e vaiavam os integrantes da marcha.

Os Voluntários, enfim, tomaram o prédio com facilidade. Funcionários e demais pessoas foram obrigados a evacuar. Onde houvesse resistência, as armas respondiam. Ordens eram dadas. Enquanto homens eram despachados para o terraço e demais pisos, e outros posicionados nas janelas, os canos dos fuzis esmagavam os estilhaços de vidro no chão. E portas viravam trincheiras.

Diante do prédio, estava Padraig Pearse, porta-voz da Proclamação. Pearse era um homem sério, que se tornara mais conhecido depois de seu brilhante discurso no enterro de O’Donovan Rossa. Com sua voz clara e precisa, entoou as palavras da Proclamação. As pessoas pararam para ouvir; não apenas aquelas que estavam na rua Sackville, mas o mundo todo. As palavras de Pearse soaram:

“NÓS DECLARAMOS O DIREITO SUPREMO E INALIENÁVEL DO POVO IRLANDÊS À PROPRIEDADE DA IRLANDA E AO CONTROLE IRRESTRITO DOS DESTINOS DA IRLANDA. TODAS AS GERAÇÕES DO POVO IRLANDÊS DECLARAM SEU DIREITO À LIBERDADE E À SOBERANIA NACIONAL; SEIS VEZES DECLARADAS COM AS ARMAS DURANTE OS ÚLTIMOS 300 ANOS.”

McAnthony escrevia à mão, energicamente.

“A REPÚBLICA DA IRLANDA PROCLAMA, E PRESENTEMENTE REIVINDICA, A ALIANÇA ENTRE CADA HOMEM E CADA MULHER DA IRLANDA. A REPÚBLICA DA IRLANDA GARANTE AS LIBERDADES CIVIL E RELIGIOSA, DIREITOS IGUAIS E IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS OS CIDADÃOS, E DECLARA SUA RESOLUÇÃO DE PROMOVER A FELICIDADE E A PROSPERIDADE DE TODA A NAÇÃO E DE TODAS AS SUAS PARTES, CUIDANDO DE TODAS AS CRIANÇAS DA NAÇÃO IGUALITARIAMENTE, E A DISSOLUÇÃO DE TODAS AS DIFERENÇAS SISTEMATICAMENTE FOMENTADAS POR UM GOVERNO ESTRANGEIRO QUE SEPAROU UMA MINORIA DE UMA MAIORIA NO PASSADO.”

    Pearse retornou para dentro do prédio do GPO, de cabeça erguida, sob os aplausos de seus homens. McAnthony o seguia, impressionado. Ele era um líder de personalidade marcante; usava um excêntrico chapéu australiano e uma Browning automática 7.65mm.

    Esses homens estavam apenas proclamando a independência do próprio país. Eles reconheciam a importância daquele momento. McAnthony fora aluno no Trinity College; estudou Cultura e História da Irlanda durante a graduação. Sabia bem o significado que tinham momentos como esse. Em toda a história do país, ninguém jamais tinha feito tal declaração. Era inédito. De repente, sentiu-se grato por Michael Collins ter lhe dado a oportunidade de participar daquele acontecimento histórico.

    Uma cópia da Proclamação foi, então, afixada nas proximidades do Pilar de Nelson, monumento erguido como símbolo do domínio britânico que ficava logo acima da rua Sackville. Atrás do pilar, encontravam-se dois cavalos sem vida pertencentes ao departamento de lanceiros que foram capturados numa manifestação e dos quais quatro foram mortos à bala.

    Havia qualquer coisa de irreal na atmosfera daquela primeira noite: ruas e estradas vazias, e cidadãos dublinenses contemplando, estáticos, A Tricolor.

    Rumores se ouvia em toda a parte:  O PAÍS ESTÁ PRONTO. OS ALEMÃES JÁ CHEGARAM NO SUL.

    Mas não demorou muito para os britânicos se reestabelecerem. Em poucos dias, tomaram suas posições. Um barco, no Liffey – o Helga – começou a bombardear a cidade. Soldados treinados disparavam e metralhadoras atingiam o lado dos rebeldes. McAnthony sabia que Collins estava ciente dos riscos quando ele mesmo quase fora atingido por um bombardeamento na noite de quarta.   

    Os dois membros dos Voluntários que ele rejeitara não tiveram tanta sorte. Ambos foram completamente eliminados. Collins atravessou às pressas o salão, procurando por sinais vitais nos três homens que ali estavam.

Apenas McAnthony tinha escapado praticamente ileso. Tinha ferimentos nas costas e nos ombros, mas estava vivo. Foi aí que conheceu Angela, quando ela se aproximou para tratar de seus ferimentos. Ela vestia um longo jaleco dos Voluntários sobre um vestido também longo, com uma cruz vermelha desenhada atravessando o aparente busto firme.

    Apesar da dor, ele estava impressionado. Era facilmente surpreendido por mulheres que se envolviam na luta pela liberdade da Irlanda. Elas faziam todo tipo de tarefas arriscadas: não raro durante os ataques, tratavam os feridos e faziam circular as mensagens entre diferentes postos de comando pela cidade. Elas também, junto com os companheiros, eram a força com que se pode contar.  

    Os ferimentos de McAnthony se concentravam nos ombros e nas costas. Angela tirou um pedaço da camisa dele, com o qual, habilmente, conseguiu estancar boa parte do sangue. Ela sabia, só de olhar para ele, que seria necessária uma cirurgia, mas naquele momento ela ia tratar os ferimentos o melhor que pudesse. Se ao menos conseguisse estancar todo o sangue…

    Michael Collins se aproximou.

    — Como está o rapaz?

    — Gravemente ferido. — ela respondeu. — Precisa ir para o hospital.

    Ele assentiu com a cabeça energicamente.

    — Vou falar com Pearse, ver se ele pode conseguir uma trégua… mas não tenho muita esperança.

    — Faça o que você puder! — exclamou.  

    Angela continuou a tratar os ferimentos de McAnthony, enquanto Collins partia às pressas em retirada.

    — Então, qual é a sua história? — perguntou, enquanto trabalhava. — Como foi se meter nesta confusão?

    — Sou jornalista — explicou ele, com os dentes cerrados.

    — Ah! E para quem você trabalha?

    — Irish Times.

    — Nossa! — disse, olhando para ele com novos olhos – com aqueles incríveis olhos azuis que ela tinha. — Vai escrever sobre a Revolta?

    — É para isso que eu vim.